Sunday, January 11, 2015

Have patience with everything that remains unsolved in your heart.

“ Try to love the questions themselves, as if they were locked rooms or books written in a very foreign language. Don’t search for the answers, which could not be given to you now, because you would not be able to live them. And the point is to live everything. Live the questions now. Perhaps then, someday far in the future, you will gradually, without even noticing it, live your way into the answer ”.

Em si, a vida é neutra.

" Nós a fazemos bela, nós a fazemos feia. A vida é a energia que trazemos dela ". (Osho)

Há coisas que nos marcam e ficam dentro de nós.

"... E há momentos em que dizemos que sim, que ultrapassámos e que não vamos mais pensar naquilo... mas eu acho que quando nós nos negamos a viver uma situação - porque nos magoou e porque na altura nós negamos e dizemos que somos fortes e conseguimos ultrapassar -, esse sentimento, ou essa angústia, ou o que for, isso persegue-nos e vem atrás de nós. Porque nós temos de viver as coisas. E temos de saber perdoar; temos de viver aquele momento. Não podemos estar sempre a passar por cima de coisas, guardando-as e tentanto esquecê-las para sempre. Porque elas, mais tarde ou mais cedo, rebentam dentro de nós". (Dânia Neto em Alta Definição)

Life will break you.

“ Nobody can protect you from that, and living alone won't either, for solitude will also break you with its yearning. You have to love. You have to feel. It is the reason you are here on earth. You are here to risk your heart. You are here to be swallowed up. And when it happens that you are broken, or betrayed, or left, or hurt, or death brushes near, let yourself sit by an apple tree and listen to the apples falling all around you in heaps, wasting their sweetness. Tell yourself you tasted as many as you could.” [Louise Erdrich]

A man's Ego is just as Fragile as a Woman's heart.

Saturday, January 3, 2015

Se nada mudar, inventa.

" E quando mudar, entende. Se ficar dificil, enfrenta. E quando ficar facil, agradece. Se a tristeza rondar, alegra-te. E quando ficares alegre, contagia. Se o caminho for longo, persiste. E quando chegares, comemora. Se achares que acabou, recomeça. E quando recomeçares, acredita". (Tati Bernardi)

Somos casas.

"Quem está de fora não sabe o que se passa dentro das nossas paredes. Às vezes, há quem entre e veja todas as fissuras e imperfeições. Então há os que fogem a sete pés, com medo que o tecto caia. E os que ficam: na esperança de um dia morarem em nós". (PedRodrigues)

Thursday, January 1, 2015

A new Book with 365 Pages. Let's Write a Bestseller.

"Que seja Doce".

Ele.

"Estávamos no natal e eu era empregada de mesa. vivia numa casa que tinha o tamanho de um quarto. eu e ele estávamos juntos há poucos meses. naquele dia eu comecei a chorar: eu que trabalhava de manhã à noite. o cliente que me tratou mal. a minha máquina de lavar roupa que não funcionava. chorei e depois continuei a trabalhar. quando cheguei a casa vi a minha roupa alinhada num estendal improvisado. ele lavou-a toda: uma a uma. no dia que a maria nasceu, depois de as visitas sairem, ele olhou para mim: amo-te mais. disse-o depressa. olhei para ele e sorri, a maria pequenina deitada ao meu lado: não te amo mais, amo-te de maneira diferente. guardei aquelas palavras. quando o miguel nasceu o dinheiro não chegava para tudo. um dia fui ao martim moniz: vendi a libra de ouro que a minha avó me deu. ela deu-ma porque eu ia ser jornalista, eu vendi-a para pagar a luz. quando cheguei a casa dei-lhe o dinheiro: ele chorou. ele passou 6 meses sozinho: perdeu o dia em que ela fez 2 anos, o dia em que ele se sentou e gatinhou pela primeira vez. o dia em que ele deu a primeira gargalhada. ele perdeu tudo porque nos queria dar mais. melhor. discutimos muito, quase todos os dias: pequenas coisas, nunca grandes. eu nunca atendo o telefone, não aviso que o detergente acabou, faço-lhes as vontades todas, perco as chaves, encho demasiado o saco do lixo. ele revira os olhos e bufa quando está impaciente: eu detesto. ele é insuportável quando tem fome. um dia ele acordou-me às 4 da manhã para me mostrar um peixe muito grande que tinha apanhado: tira-me uma fotografia. ele deixa as meias sujas no chão: ao lado da cama, todos os dias. ele esquece-se das datas. nunca me compra flores. mas também refila comigo porque eu ando descalça com este frio. porque não me sento para comer. ele deixa-me sempre um prato de sopa na prateleira de baixo: eu não chego lá acima. ele é sempre o primeiro a pedir desculpa. às vezes o único. ele chama-nos: meus amores. nos últimos anos eu mudei. eu não sou a mesma, não sou como ele me conheceu: já não tenho abdominais definidos. as minhas sobrancelhas não estão sempre alinhadas. não uso maquilhagem ou lingerie com renda. não faço amor com ele todos os dias. não faço todas as semanas. não digo amo-te muitas vezes: antes dizia. eu mudei: sou sempre mãe, não sou sempre mulher. e sei que ele gosta de mim na mesma. que ele me vê para lá de todas estas coisas. e eu também vejo. e amo-o ainda mais: sempre que o vejo a adormecê-los, a levá-los às cavalitas, a correr atrás deles no parque. sempre que ele traz no saco as bolachas que eles gostam, uma carteira de cromos para a maria. quando ele vai ao cinema ver a sininho e decora o nome das fadas. quando ele dá banho à maria e lhe desembaraça devagarinho os cabelos. quando o vejo a fazer ginástica no dia dos pais: a saltar mais alto que os outros. hoje, quando foi trabalhar com os olhos embargados. não desejo melhor para 2015, desejo o mesmo: 2014 foi um bom ano. juntos, com saúde. mas quero mais de nós: eu e ele. quero voltar a passear de mão dada. beijá-lo mais. dizer que o amo mais vezes. quero ser mais paciente, mais dedicada. quero casar com ele numa tarde quente de verão". (in eueleeamaria.blogspot.pt)

Aos fins e aos (re)começos.

"Todos os últimos dias de cada ano são um marco. Se nos fazem não só olhar para a frente e valorizar o que está ainda por vir, as emocionantes possibilidades e a forma renascida de começar de novo, também faz com que olhemos para a passagem de tantos momentos que, bons ou maus, de uma forma ou de outra marcaram quem somos hoje, aqui e agora".

Despedida a 2014.

Há anos que nos lançam perguntas; outros que nos trazem respostas. Agradeço à vida e a este ano por todos os esclarecimentos, ensinamentos; por todos os erros e por todas as bençãos. É certo que quando uma coisa boa ou várias acontecem na nossa vida, começamos a ligar os pontos. E percebemos que o que ficou para trás tinha que ter ficado. Levo daqui também a vontade de saber perder o medo e relaxar. Que sera, sera. Whatever will be, will be. “Que a vida resolve-se sozinha”. Não precisamos do ano novo para recomeçar mas temos agora mais 365 chances à nossa frente por isso usemo-las com respeito, gratidão e em consciência. “i dare you to believe in yourself. You deserve all things magic”. Let’s believe. And deserve. Um ano Grandioso a todos.

Da gratidão.

" Há quem não entenda quando digo que em vez de me lamentar, agradeço tudo o que de menos bom me acontece na vida. É uma questão de perspectiva, uma forma de ser e de estar. Agradecer as desilusões que tive de enfrentar, agradecer todas as quedas que dei. Hoje sei que foi com elas que aprendi a levantar-me sozinha. Agradecer aos amigos que não foram assim tão meus amigos, aos amores-impossíveis e quase-possíveis que me obrigaram a aprender a amar na saudade e na espera e, tantos anos depois, conhecer o amor de uma outra forma. Agradeço a todas as coisas e pessoas que saíram do meu caminho e que deixaram espaço, tempo e ar para que outras pudessem entrar, conquistar um lugar e ficar. Agradeço a quem me disse não, a quem me obrigou a sair da minha zona de conforto e encarar de frente a verdade da vida. Agradeço ter aprendido, com dor, a olhar nos olhos os meus erros. Não para me lamentar, mas para ter a certeza de onde não devo recomeçar. Agradeço os muitos dias em que remei contra a maré, os dias em que conheci e aprendi a respeitar a palavra resiliência e os dias que me fizeram tatuar na pele o mantra que está sempre presente em mim: «Duas coisas nos definem: a nossa paciência quando não temos nada, e a nossa atitude quando temos tudo.» Obrigada. (in as 9 no meu Blogue)

E que seja eu a prova de que é possível voar.

" O que ficou para trás e o que está à nossa espera é pequeno, comparado com o que permanece dentro de nós ".

Amigos são a família que escolhemos para chamar de nossa.

"E quando olhamos para trás e vemos que lá se foram muitos anos e o amor e o cuidado permanecem os mesmos - apesar das eventuais distâncias - a gente tem certeza: tinha que ser assim, como foi, do jeito que foi. Porque a gente tinha que se conhecer e tinha que se amar e tinha que se dar as mãos nos momentos complicados. Porque Deus faz as pessoas aos lotes e nós descemos pra Terra todos separados, e nossa única tarefa é irmo-nos reencontrando. Tudo vai dar certo - simplesmente porque Tem que dar. E, um dia, vamos olhar para trás e agradecer por todas as lições aprendidas. Que Deus nos dê a humildade necessária para aprender o que tem que ser aprendido - para que, o quanto antes, passemos para a outra fase da vida. Amor, amor ♡"

É impossível errar o caminho quando a voz que fala contigo vem do lado de dentro.

(in as 9 no meu blogue)

Assim como lavamos o corpo devíamos lavar o destino.

mudar de vida como mudamos de roupa. (Fernando Pessoa)

Do Natal 2014.

Não, não é por ser Natal. Estes desejos prevalecem em qualquer dia do ano, da vida. Mas já que é Natal, e o Natal também é tempo de dizer verdades, é bom recordar o que tende a esquecer-se no corropio dos dias: Que o nosso bem faça bem ao outro. Que carreguemos connosco todos os sonhos e todas as forças. Que nos foquemos no que nos faz bem; alimentemos quem nos ama e o que nos faz feliz. Que sejamos, hoje e sempre, uma coisa boa que mora dentro de cada um que passou por nós. Acredito que não precisamos de ser heróis. Precisamos sim de ser pessoais reais, autênticas, que saibam contornar as dificuldades e permitir-se a ser. Que sejam suficientemente corajosas para deixar baixar a sua guarda e mostrar que, afinal, somos todos humanos. A vida é pequena demais para perdermos tempo a gastar energias em algo que não envolva amor. A maior verdade é essa. O resto é paisagem.

A vida Traz.

No tempo certo a vida traz tudo o que nos pertence, que é nosso e que merecemos. Mas primeiro, ensina-nos a aceitar com a serenidade necessária tudo o que vamos ter de aprender, a ser, para lá chegar.
Curioso o quanto, por tantas vezes, enquanto faço terapia aos meus pacientes, eles também "a fazem a mim". Sem o saberem, com as suas reflexões, com o que questionam, o que pensam e o que descobrem: Sobre si mesmos, os outros, as relações e a vida. Chega a ser um banho de humildade pensar que apesar das histórias de vida serem sempre diferentes, ha um pano de fundo comum, nas questões que se cruzam e nos tornam apenas humanos; em aprendizagens e entendimentos constantes. A procura do sentido de cada um e da verdade pessoal é transversal a todos. Ha dias em que agradeço ao Universo por aprender, ver e receber o que mais preciso de onde menos espero.

Algumas batalhas têm de ser travadas dentro de nós.

(Travadas e Vencidas).

O que eu tenho é pouco.

Mas esse pouco é tão meu que pouco importa o valor.

Mergulhe.

Never, Ever.

“Não é o amor que sustenta o relacionamento. É o modo de se relacionar que sustenta o amor.”

Mantinha a mão no coração e repeti para dentro:

" Só há um coração no mundo a bater. Se falares com o teu, toda a gente entende.' Larguei a mão do coração. Ele tomou-me e comecei". [Porque quando falamos de coração para coração somos sempre entendidos. (Marta Gautier, obrigada pela inspiração de sempre*)]

Seja no que for, só recebes na medida do que dás.

«Não esperes ser amado para amar. Não esperes ficar sozinho para dar valor a quem está ao teu lado. Não esperes ficar de luto para reconhecer quem é importante para ti hoje. Não esperes cair para te lembrares dos avisos. Não esperes ter muito dinheiro para então poder ajudar. Não esperes por pessoas perfeitas para então te apaixonares. Não esperes a mágoa para pedir perdão. Não esperes pela iniciativa do outro se o erro foi teu. Não esperes pelo ‘amo-te’ para dizer ‘eu também’. Não esperes pela separação para fazer as pazes. Não esperes pelo último dia para começar a amar a vida. E não esperes por elogios para acreditar em ti mesmo.» (in as 9 no meu blogue)

Às vezes é tempo de ir embora.

" Quantas vezes prolongaste demais situações que sabias não terem volta a dar? Insististe em momentos e criaste expectativas do que sabias ser impossível vir a acontecer? Achamos sempre que temos em nós a força para mudar o mundo e com ele mudar as pessoas, mas sejamos sinceros, só muda quem quer ser mudado e só conseguimos inverter as situações que são passíveis de ser invertidas. Tudo o resto são lutas inglórias, verdadeiras perdas de tempo ou experiências que devemos guardar para não serem repetidas. Só temos uma vida e com tantos problemas que vemos todos os dias à nossa volta é fundamental consciencializarmo-nos de que ou apostamos todas 'as nossas fichas' no que vale realmente a pena ou ela passa-nos ao lado. Acredito que quem vive mais intensamente, quem dá mais de si, quem confia mais e se expõe de uma forma superior está sempre muito mais perto de sofrer dissabores, mas também a uma distância muito mais curta de se sentir verdadeiramente preenchido. É bom correr atrás de um objectivo, fundamental não desistir à primeira, lutar pelo que acreditamos e acima de tudo não nos desviarmos do nosso caminho porque os outros não o farão seguramente por nós. Devemos ser condescendentes e perceber que ninguém é perfeito, dar o benefício da dúvida e deixar de lado algum egoísmo - hoje em dia tornou-se muito mais fácil desistir e virar a página, mas, por vezes, temos que arranjar forças para superar os momentos menos bons, as adversidades que se nos deparam e ter a força para ultrapassar os obstáculos do dia-a-dia. Mas tudo com conta peso e medida, pois há um momento em que temos que dizer basta, já chega. Um momento em que deixamos de lado a emoção e decidimos pelo pragmatismo, custa, é verdade, mas um pouco de orgulho e amor próprio nunca fez mal a ninguém. Existem tantas boas razões para seguirmos em frente, nem que seja para começar do zero, não há que ter vergonha do recomeço. Muitas são as vezes que por uma razão de insegurança, de medo do desconhecido ou simplesmente por habituação a uma rotina temos dificuldade em aceitar que na vida não vale tudo e que todos merecemos o respeito e consideração, e que todos merecem a dignidade que nos diferencia e que supostamente nos retrata. Bem sei que esta crónica é destinada aos temas relacionados com a noite, a juventude e o entretenimento, mas se não sensibilizarmos os mais jovens para os temas mais difíceis nunca os poderemos acusar de não estarem preparados, nunca lhes poderemos exigir que estejam à altura. Tudo isto para dizer que estamos perto do dia Internacional pela eliminação da Violência contra as Mulheres, e que nos últimos cinco anos centenas não sobreviveram aos maus tratos. Está na altura de perceberem que o mundo já não é compatível com este tipo de atitudes, que não são desculpáveis por razão alguma que seja. Por isso digo a quem agride e a quem é agredido, às vezes é tempo de ir embora, antes que seja tarde demais!" (José Paulo do Carmo)

Na vida, não importa tanto onde vamos, mas quem vai connosco.

"Não importa tanto como vamos, mas quando decidimos ir. Não se explica tudo o que nos acontece com azar, má sorte, praga ou castigo. Percebe-se que muitas vezes é só a nossa mente a jogar contra nós. Muitas vezes é a vida a testar a vontade, a fibra, a decisão, se é mesmo isto que queremos. Esquecemos, com alguma frequência, as coisas importantes que temos, que somos. É bom dar tréguas a nós mesmos, aos outros. Parar de reclamar tanto da vida. Parar de nos culparmos tanto de tudo. Parar de procurar do lado de fora as falhas que existem do lado de dentro. Parar de dizer aos outros como devem viver as suas vidas, e de pouco tentar corrigir aquela que nos carrega todos os dias. Parar de achar que sabemos tudo, que sabemos mais. Julgar menos, elogiar mais. Sentir mais amor, menos maldade. Mais fé, menos desconfiança. Mais consciência, menos ego. Mais perdão, menos orgulho ".

Ensinaram-nos a nunca nos zangarmos.

" e por isso pensamos que uma pessoa que nunca se zanga será sempre uma pessoa cheia de amor para dar. Estamos errados. Uma pessoa que nunca se enfurece também nunca será capaz de amar. Estas duas emoções andam sempre de mãos dadas, vêm no mesmo pacote. Uma pessoa que ama verdadeiramente por vezes ficará zangada. A raiva é algo belo porque surge do amor. A sua energia é quente e não nos sentiremos magoados por ela. Ficaremos até gratos pelo facto dessa pessoa se ter zangado connosco. Já reparou nisso? Se faz algo de errado e a pessoa que ama fica realmente furiosa consigo, você sente-se grato porque ela o ama tanto que se pode zangar consigo. Porque haveria de o fazer se não o amasse? Quando amamos, podemos sentir raiva. Quando amamos, somos capazes de a sentir. Se temos amor-próprio - e isso é essencial na nossa vida, caso contrário simplesmente não a vivemos -, nunca seremos repressivos; seremos uma expressão de tudo o que a vida nos oferece. Expressaremos as nossas alegrias e tristezas, os nossos pontos altos, os nossos pontos baixos, os nossos dias e as nossas noites". Há Livros tão bons que deveriam vender-se em Farmácias. Osho in "Bem-estar emocional".

Ser Feliz e nada Mais.

«Não é que seja exactamente corajoso, o meu coração. O que ele tem de especial (para mim) é que não ocupa espaço com mágoas ou rancores e aprendeu a usar a amnésia para assuntos de frustração. Quando me apercebo ali está ele de novo, a acreditar, a confiar, a planear. Com um sorriso de orelha a orelha, um bater compassado e a frescura de um coração que (parece) nunca ter sido magoado. Claro que se vêem umas cicatrizes aqui e ali, as cicatrizes não morrem. Mas o meu coração procura nem se lembrar que elas ali estão. Não é teimosia, é mesmo vontade de ser feliz, de acreditar. É isso, o meu coração gosta de acreditar, nas pessoas, no lado bom de tudo, na vida. E eu, eu também. Sempre.» (in as 9 no meu Blogue)
" Deus é quem escolhe as pessoas que vão cruzar o meu caminho e, quanto a isso, tem sido muito generoso. Acredito que nenhuma folha nesse mundo se mova sem a sua supervisão ".

Prometi.

" Prometi nunca gostar de alguém como te gosto e nem assim me sinto incoerente, ou talvez sinta e a coisa mais bela do mundo seja mesmo a incoerência, fazer agora o que não seria capaz de fazer antes; toda a razão está sobrevalorizada, pois se o que nos faz feliz raramente tem qualquer motivo porque haveríamos de colocar a razão acima de tudo? " (Pedro Chagas Freitas)

A pessoa havia transformado o Lugar.

"O lugar estava ali, a pessoa apareceu, depois a pessoa partiu, o lugar continuou, o lugar tinha feito a pessoa, a pessoa havia transformado o lugar".

O amor é paciente, o amor é bondoso.

"Não inveja, não se vangloria, não se orgulha. Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor. O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade. Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta". (Coríntios 13:4-7)

Eu não duvido do poder do abraço.

« Ele transforma corações. Aproxima uma alma da outra. É a ponte para o reencontro. Traz de volta a paz. Remove qualquer impureza do espírito. Eu não duvido do poder do perdão. Ele faz as cicatrizes ficarem mais suaves, devolve a luz da pele, ilumina o dia e o passado. Eu não duvido do poder da fé. Ela ampara, acalenta, acolhe, aconchega, nos pega no colo e cantarola uma linda canção de embalar. Eu não duvido do poder do amor. Ele traz o apoio, oferece o suporte, segura forte a mão, ajuda a segurar qualquer fardo, por mais pesado que possa parecer.» | ana jácomo |

Superamos tudo.

A partir do momento em que decidimos o que merecemos.

Good stuff:

«Não há pessoa que eu conheça que não se orgulhe da sua frontalidade. Quando questionados, a resposta não é só afirmativa como assume cariz de bandeira- "eu sou frontal!". Não levar recados para casa, responder a tudo na cara, dizer literalmente o que se pensa é entendido como o expoente máximo da liberdade de expressão de qualquer pessoa que se defina como genuína. Quando, com todas as letras, assumo que sou pouco frontal, sinto o silêncio a pairar. Como se tivesse acabado de defender a pesca de baleias ou o espancamento à paulada de focas bebés. E é mais ou menos por esta altura, em que o silêncio se estende até aos limites da confortabilidade, que interrompo o espanto e fundamento. Não sou muito frontal, não. Tenho um terrível receio de magoar quem recebe a minha mensagem e, creio mesmo, que nem tudo deve ser dito. A dialética causa- efeito tem tempos diversos, para mim. As mensagens podem ser passadas de outras formas, noutras alturas, através de outros contextos. Acredito que a melhor forma de dar uma lição a alguém é colocado na situação inversa e fazê-lo perceber como seria se recebesse a reação que está habituado a dar. Obviamente que nem sempre o outro entende o alcance ou sequer, quer saber. Mas, não acredito nessa frontalidade que se apregoa com orgulho. Nem acredito em quem a veste como um manto. Acredito, sim, que mais nobre é a capacidade de ouvir, de perceber as razões dessa reação, e de agir sem magoar e, acima de tudo, sem se magoar. Ando por aqui. Por aproximações. A ouvir alguns, a perceber outros e à espera que outros percebam. Tranquila.»

O mundo é um lugar que faz eco.

Tudo o que semeamos, colhemos. Tudo o que damos, recebemos.

Tão assim.

Partilhar é uma das melhores coisas do mundo.

"Acho que no amor é a melhor de todas. A que aproxima nas diferenças, a que une nas imperfeições, a que cimenta na dúvida, a que se dá sem medos, a que não está à espera de receber para poder retribuir, a que ajuda a compreender e a aceitar a bagagem que todos trazemos, as peças de um todo que sozinhas não fazem sentido. É a partilha que deixa as maiores marcas em momentos que até podem ser difíceis, mas que serão os recordados como os mais fortes e importantes da vida. Porque é aí, e não nos dias fáceis, que reside a força do amor. A força de gostarmos daquela pessoa connosco, e de gostarmos de nós e de quem somos quando estamos com aquela pessoa. É desta partilha e deste sentir que eu falo quando me perguntam se sou feliz."

Amigos.

“Só mesmo amando um amigo para permitir que ele se jogue no seu sofá e chore todas as dores dele sem que você se incomode nem um pingo com isso. Só mesmo amando para você confiar a ele o seu próprio inferno e para não invejarem as vitórias um do outro. Por amor, você empresta suas coisas, dá o seu tempo, é honesto nas suas respostas, cuida para não ofender, abraça causas que não são suas, entra numas roubadas, compreende alguns sumiços, só liga quando o sumiço é exagerado. Tudo isso é amizade com trato. Se amigos assim entrarem em sua vida, não deixe que sumam.” Não deixarei .

A vida é grande e nós podemos ser tão grandes quanto ela.

De bem com a vida e com o que ela me traz. O importante não é ser perfeito mas sim inteiro.

Do perdão.

«Não é uma forma de descrença, ainda menos desistência. É seguir em frente sem olhar para trás, para o lado, para o que (ou quem) não adianta, só atrasa. Não é querer mal, pelo contrário, quero sempre bem, desejo sempre bem. Não guardo rancor, nada, de ninguém. Fecho ciclos, encerro capítulos, guardo o que foi bom, elimino (mesmo) tudo o que me fez mal ou desiludiu ou entristeceu. Passou, é passado, não pertence aqui, ao agora, e ainda menos ao que está por vir. É uma forma de estar. A minha. A que me faz bem, a que me permite olhar para a vida de forma resolvida, positiva, de queixo levantado e olhar no horizonte. A verdade é que as pessoas e as coisas que nos acontecem, que cruzam o nosso caminho e que um dia fizeram parte de alguma das esferas da nossa existência, têm a importância que lhes dermos. E quanto mais nos apegarmos a elas, em palavras, imagens, gestos ou contradições, mais nos apegamos ao passado, ao que foi e já não volta, ao que era e já não é, à verdade de uma mentira que queremos manter. Porque mudar custa. É como crescer, dói. E quando sabemos que vai doer preferimos evitar, ou ir evitando. Até dar. Muitas vezes a mudança (do sentido das coisas) é bem mais simples do que imaginamos, do que supomos, do que achamos que sentimos. Chama-se desapego, e treina-se. Todos os dias. Se quisermos. A irritação, a dor e o ressentimento não alcançam nada. Só nos impedem de viver melhor. Ficar agarrado ao ressentimento é como comer um prato de veneno e esperar que faça mal à outra pessoa. Quem sofre não são as pessoas que nos magoaram, somos nós. A forma de nos libertarmos desse ressentimento é simplesmente – e dificilmente – perdoarmos quem nos magoou. Largar a dor, largar a culpa, largar o ressentimento, e perdoar. Para começar um ressentimento são precisas duas partes, para terminá-lo basta apenas uma.» (in as 9 no meu Blogue)

Uma das qualidades que mais admiro nas pessoas é a capacidade de saber estar feliz.

« Que é diferente de apenas ser feliz - e bem mais difícil. Podemos estar numa onda má na vida, longe da família, longe da nossa terra, longe de quem gostamos, mas a capacidade de saber estar feliz faz superar tudo isto e faz-nos manter o sentido de humor afinado, a capacidade de gozo sempre presente, e o riso pronto a disparar. Saber estar feliz não é um estado de alma, é uma forma de viver.»

Acreditar que tudo o que queremos está perto.

E tudo o que precisamos está connosco.

E são nesses Fins que encontramos nossos Meios para Recomeçar .

A minha avó disse-me:

" se Deus te põe no Mundo é porque há lugar para ti"; a vida, depois, é o que tu fazes, o que fazem contigo e o que deixas que façam contigo". (Gisela João)

Ser Feliz é simples.

O difícil é ser tao simples.

Let go of the old to make space for the new.

" Don't let your present be dictated by your past. What's done is done! Be grateful for where you are today and use the best of your abilities to manifest a beautiful tomorrow. Don't focus on what once was. Direct your attention towards the love that's present in your life today and tomorrow will bring more of the same. I guarantee it ".

Trago-te nos meus dias, assim como tu me trazes nos teus.

"Trago-te porque me fazes bem. Porque, neste momento, por mais que quisesse imaginar-me sem ti, não conseguiria. Os dias que passo contigo, são dias de felicidade. Ver-te sorrir faz-me bem. Às vezes – e isto tu não sabes – invento textos enquanto olho para ti. Invento-os e guardo-os para mim. É um acto egoísta da minha parte, mas não gosto de te partilhar. Sei que, ao leres isto, vais achar que esta é uma daquelas liberdades que às vezes tomo nos textos, mas não é. Na minha cabeça escrevo histórias paralelas à nossa história. Depois sorrio baixinho, por dentro, para que ninguém saiba, nem mesmo tu, que nos estou a escrever de mãos dadas ao longo do tempo. " (Pedro Rodrigues)

Foges a sete pés do lugar comum.

"...porque te ensinam quando és novo que é aí que habita a piroseira. E com a idade deixas de te importar um pouco. Tens mais em que pensar: tens de pensar em viver, perceber porque é que andas por cá. Nasceste para fazer o quê? Para querer o quê? Para te dares e receberes. Sendo a solidão a mais terrível de todas as coisas vivas, demoramos a perceber. E muitas vezes não nos entregamos por medo. Por cálculo. Porque pensamos prós e contras, como se estivéssemos a fazer uma compra para a casa. Relaxa. Será sempre impossível saber o que ai vem, ou o que poderia ter sido, poupemo-nos a exercício tão penoso... Mas não pode deixar de nos impressionar que duas criaturas deixem de se encontrar porque lhes ensinaram que há demasiados riscos na entrega. Como negociantes prósperos, alimentam-se da desconfiança, seguros de que lhes bastará deitarem-se, a cada noite, convencidos de que não se deixaram enganar. Não é talvez o problema de pensarem isto, mas é talvez o problema de pensarem que "isto" é uma vitória. Será impossível imaginar o que poderia ter sido. Aqui, como noutras ocasiões, quando o destino nos parece amargo. Mas devia talvez impressionar-nos, se ainda formos a tempo, as mil e uma maneiras que hoje há à nossa disposição para nos afastarmos, ainda por cima mil e uma maneiras mascaradas de oportunidades, de mecanismos ditos de proximidade. Eu, vocês, os nossos vizinhos, os vossos amigos, queremos afinal pouco. Muito pouco comparado com o que nos fazem crer que queremos. Uma oportunidade, uma chance pequenina, de conhecermos a maravilha de sermos de alguém e sentir que alguém quer ser nosso. E por momentos, nem que seja por um momento, sabermos o que é partilhar um momento, saborear o espanto de conseguirmos esquecer-nos de nós, por um momento, um pequeno momento, imaginarmos que ao nosso lado um outro coração corre à mesma velocidade serena, ansioso por chegar ao mesmo lugar, onde nos espera o mesmo destino, por um momento, um momento simples, pequeno, que nos garante estarmos vivos porque alguém deseja que estejamos vivos, ao nosso lado, a tocar-nos ao de leve, apenas o suficiente para sabermos que não estamos sós, que não estamos sós nesse momento, esse pequeno, irrepetível momento, em que o caminho nos parece suave, quando por um momento, que queremos guardar por ser irrepetível, podemos por segundos fechar os olhos e abrir os braços, seguros de que alguém nos vai segurar, subitamente leves numa relva fresca, tranquilos por um momento, amados por um momento, que provavelmente não se repetirá, mas que não trocaríamos por nada, nessa absoluta necessidade de viver enquanto há um sopro de vida, apesar do medo, apesar das regras, das probabilidades, das mais-do-que-evidentes certezas, esse momento, esse pequeno, singelo, inesperado momento, em que nos cicatrizam as feridas de uma existência aflita. E o coração pode serenar. Cheio de feridas, talvez, rasgado e colado, talvez. Mas a pulsar, ainda. A bater, que é para isso que viemos cá". (Rodrigo Guedes de Carvalho)

I believe.

in the person i want to become. (Lana del Rey)

A nossa força.

Somada à dos que nos querem muito bem, é capaz de tudo.

A não esquecer:

A Vida Traz. A vida vai dando as respostas. A vida resolve-se sozinha.

19 de Junho de 2014.

Último dia de aulas AP, nesta jornada que durou 4 anos. É impossível pensar neste Adeus sem pensá-lo enquanto até já. Agradeço aos colegas que se partilharam comigo, na humildade e vontade de aprender, de saber mais; aos professores e formadores a disponibilidade, sabedoria e entusiasmo com que nos passaram a sua paixão e humanidade. Tão bom tudo o que se trocou, se viveu, se entendeu, se cresceu. Hoje o dia soube a emoções que são um misto. Que nos lembraram do quanto há sempre mais para ver, aprender, conhecer, reflectir, questionar, crescer. Guardam-se as pessoas boas, grandes, que daqui levo pra vida, muito além do contexto clínico e de colegas de profissão. Fica-nos a vontade acrescida e mais madura de ir sempre mais além; que o saber não ocupa lugar e há tanto mais a desbravar. Obrigada à AP por nos incentivar a pensar livremente, a ser quem somos e a nunca desistir do que nos podemos tornar."O bom terapeuta vale mais por aquilo que é do que por aquilo que sabe". Aqui tornei-me mais válida em quem sou e no que sei. Firmei os meus horizontes e carácter profissional. Obrigada por tanto. ...Feliz e, confesso-me, ainda incrédula por me ver, agora, a passos curtos de me tornar em breve Psicoterapeuta e Psicanalísta. E "perdoem-me" o pretenciosismo, hoje necessário e legitimo, mas estou orgulhosa de mim. E muito. A par, claro está, do orgulho genuíno que sinto dos colegas que terminam hoje este percurso e dos que me seguem os passos. Dispensam-se os nomes, que eles sabem quem são. Vocês são grandes. Todos, todas, sem excepção.

Tenho amigas que são anjos da guarda "disfarçados" de gente.

Sou abençoada. E não é pouco. Hoje era isto. Só isto. Ou melhor: tudo isto.

Pensamentos Felizes fazem-nos Voar.

Aposte todas as suas fichas.

"Seja um apostador! Arrisque tudo, pois o momento seguinte não é uma certeza. Então, por que se importar com ele? Por que se preocupar? Viva perigosamente, viva com prazer. Viva sem medo, viva sem culpa. Viva sem nenhum medo do inferno ou sem ansiar o céu. Simplesmente viva". (Osho)

Tatuagens

"Também é comum admirarem-se com o carácter definitivo das tatuagens, perguntarem-me se não tenho medo de me arrepender. Sorrio. Emociono-me com a inocência daqueles que não percebem que tudo é definitivo e deixa marcas. Eu escrevo livros. Sei que tudo é definitivo e nada é eterno". José Luís Peixoto.
" Uma última recordação: sê bom! Sê bom através de tudo, até quando tenhas de responder à maldade dos outros. A Glória humilde, a glória íntima do coração é a maior e a mais bela de todas. Não poder continuar a fazer bem aos outros, a ser, ao menos, gentil para com eles, é agora o meu maior sofrimento..." (por Marta Gautier)

Os amigos não precisam estar ao lado para justificar a lealdade.

❝ Mandar relatórios do que estão fazendo para mostrar preocupação. Temos o costume de confundir amizade com omnipresença e exigimos que as pessoas estejam sempre por perto, de plantão. Amizade não é dependência, submissão. É independência, é respeito, é pedir uma opinião que não seja igual, uma experiência diferente. Se o amigo desaparece por semanas, imediatamente se conclui que ele ficou chateado por alguma coisa. Diante de ausências mais longas e severas, cobramos telefonemas e visitas. E já se está falando mal dele por falta de notícias. Logo dele que nunca fez nada de errado! O que é mais importante: a proximidade física ou afectiva? A proximidade física nem sempre é afectiva. Amigo pode ser um álibi ou cúmplice ou um bajulador ou um oportunista, ambicionando interesses que não o da simples troca e convívio. Amigo mesmo demora a ser descoberto. É a permanência de seus conselhos e apoio que dirão de sua perenidade. Amigo mesmo modifica a nossa história, chega a nos combater pela verdade e discernimento, supera condicionamentos e conluios. São capazes de brigar com a gente pelo nosso bem-estar. Tenho amigos que nunca mais vi, que nunca mais recebi novidades e os valorizo com o frescor de um encontro recente. Eles me ajudaram e não necessitam actualizar o cadastro para que sejam lembrados. Amigos me salvaram da fossa, amigos me salvaram das drogas, amigos me salvaram da inveja, amigos me salvaram da precipitação, amigos me salvaram das brigas, amigos me salvaram de mim. Os amigos são próprios de fases: da rua, do Ensino Fundamental, do Ensino Médio, da faculdade, do futebol, da poesia, do emprego, da dança, dos cursos de inglês, da capoeira, da academia, do blog. Significativos em cada etapa de formação. Não estão em nossa frente diariamente, mas estão em nossa personalidade, determinando, de modo imperceptível, as nossas atitudes. Quantas juras foram feitas em bares a amigos, bêbados e trôpegos? Amigo é o que fica depois da ressaca. É glicose no sangue. A serenidade". (Fabricio Carpinejar) Verdade mas nem sempre fácil. Still Learning....

"The idea of my life as a fairy tale is itself a fairy tale.

I believe in fairytales. I believe they can come true. I believe the world will not always be full of hatred and conflict if we are prepared to sacrifice enough. That's what Monaco means to me. I don't think anyone should have the right to crush happiness or beauty. It's not how I was raised." (Grace Kelly)

Não sei a mulher que sou mas sei a mulher que não sou.

" Não sou a mulher que se esconde nos tachos, a mulher que se cala nas horas, que se entrega ao embuste da segurança, à fraude suportável de ver passar o tempo. Não. Não sou. Não sou a mulher do fado e das lágrimas, a mulher do enfado e das rotinas, dos sonhos que se arrastam pelas esquinas. Não. Não sou. Não sou mulher de sorrisos quando existe a gargalhada, de aldeias quando existe o mundo. Não sou nem um milímetro menos do que aquilo que posso ser, e se um dia cair foi porque tentei saltar e não porque preferi aceitar". (In "Prometo falhar", PCF)

"Quem está Feliz faz os outros felizes ".

(Anne Frank)

Mãe.

" A minha mãe foi o meu primeiro país, o primeiro lugar onde vivi " (Nayyirah Waheed) Porque ser mãe é bem mais além do que trazer ao mundo. É cuidar, ensinar, educar, preparar-nos para o mundo e para a vida. Para o medo e para voar, apesar do medo. Tarefa de uma vida, difícil. Que exige tacto, dedicação, incondicionalidade. Cada uma faz o que pode e o que sabe. E, dentro das suas próprias limitações, concerteza que cada uma é a melhor. A melhor do nosso Mundo. Do nosso infinito Particular. A todas as mães que o são, às que o são e a quem admiro bem de perto, às que estão quase a ser e às que o foram recentemente, o meu beijinho bem especial. Mas, o mais especial de todos, vai para a minha. Love you, Mum! E à minha avó, que é uma segunda-mãe-mãezona também. O vosso dia não é este mas sim todos, desde que nascemos e fomos imaginados enquanto "sementinha", na vossa cabeça, útero e coração.

Tao bonito e tao verdadeiro. Nao tem como rebobinar.

Às vezes, o que precisamos está tão próximo.

" Passamos, olhamos, mas não enxergamos. Não basta apenas olhar. É preciso saber olhar com os olhos, enxergar com a alma e apreciar com o coração. O primeiro passo para existir é imaginar. O segundo é nunca se esquecer de que querer fazer é poder fazer, basta acreditar." (Pedro Bial)
"...É uma coisa terrível ser alguém de quem toda a gente gosta. Porque para isso acontecer é preciso estar sempre a mudar para agradar a toda a gente. É preciso ter 100 máscaras diferentes. É preciso deixar de ser autêntico e passar a ser um personagem inventado. Personagem que por ser inventado não consegue ser feliz".

Perdão é uma decisão só nossa.

" Arrancada às entranhas. Que esse esquecer só depende de nós. Que se nos determinarmos tais amarras não voltarão a prender-nos. Que a vida dos outros segue em frente [segue sempre] e que somos nós que ficamos presos a uma terra estéril onde já nada há para semear. Tem dias em que a oiço: sabes, querida, quando decidimos perdoar ou desculpar, como queiras, alguém que nos fez mal, ou não soube estar à altura das expectativas que nela depositámos, isso não quer dizer que toda a mágoa se vá embora naquele instante. Não. Significa tão só que chegou a tua hora de partir em busca de algo melhor do que aquilo que te prendeu. O resto, o resto deixa para o tempo que o tempo resolve". E resolve mesmo.

«El corazon tiene más quartos que un hotel de putas»

(Gabriel Garcia Marquez)

Quero tudo na Vida e não acredito quando me dizem que não é possível.

"Quero trabalhar no que gosto. Sentir-me necessária, reconhecida, subir na carreira. Quero Cozinhar. Quero ser bonita. Quero ir ao dermatologista, ter tempo para ir ao cabeleireiro, arranjar os pés, fazer uma massagem. Quero ter um bom casamento. Quero sentir-me apaixonada pelo meu marido, quero sentir-me muito amada por ele, mesmo depois de tantos anos, quero que lhe apeteça dançar comigo à chuva, quero rir-me com ele, quero o meu coração a bater. Quero divertir-me. Deitar-me na relva de um jardim, lanchar com uma amiga, fazer o que me passar pela cabeça. Quero ter uma casa à minha medida. Quero que os meus filhos acreditem que é possível. Quero ir com eles de fato-de-banho para a banheira a fingir que é uma piscina, deixar que me lavem a cabeça , ficar nos baloiços até ser noite, jantar lá, ensiná-los a fazer o pino, fazer rir os seus amigos. Quero ser feliz em todas as partes da minha vida. Tudo ao mesmo tempo. Estou-me nas tintas para a conversa do «não se pode ter tudo», do «ter de escolher», e não quero saber das tretas de que «o tempo não dá para tudo».

O que tens de diferente é o que tens de mais bonito.

Hoje um amigo disse:

“Ique tem 18.000 mulheres querendo sair com você. Porque você está saindo só com uma?” Estou saindo com uma garota. Todas as vezes que ela entra no carro, pula em cima de mim com um sorriso, e diz: “ABRAÇO DE URSO” Ela me chama de “Bolota”, (o cachorro que morde as havainas) porque mordi o chinelo dela uma vez. Estou saindo com uma garota. Que pesquisou a doença do meu pai na internet. No outro dia, comprou várias coisas que ele precisava. Que desde o primeiro dia que saímos, até hoje, me liga para dizer: “Boa noite. Estou rezando para o seu pai” Estou saindo com uma garota. Que vai deixar de fazer uma prova de concurso, que ela estudou 2 anos, para poder viajar comigo, e levar meu pai para ver o mar pela última vez. Estou saindo com uma garota. Que nunca me enrolou. Que não jogou. Que todos os finais de semana me procurou. Estou saindo com uma garota. Que perguntou se eu poderia viajar no Reveillon. Eu disse que não, por causa do meu pai. Então, ela deixou de viajar com as amigas, para passar comigo, meu pai e meus amigos. Estou saindo com uma garota. Que não se importa se meu cabelo está caindo ou não. Se as amigas me acham feio ou não. Estou saindo com uma garota. Que manda mensagem as 22:30 de terça-feira dizendo: “Estou com saudades.” 10 min depois, estou na porta da casa dela. E respondo: “Saudade a gente não responde, a gente mata. Estou na porta da sua casa.” Ela desce. Entra no carro e pula em cima de mim sorrindo. Estou saindo com uma garota. Que ama Pearl Jam. Canta, grita e dança dentro do carro. Que faz sexo com amor. Que sorri, me dá beijo e morde. Estou saindo com uma garota. Que sonho com ela dormindo. E acordo pensando. Estou saindo com uma garota. Que não liga se saio de boné a noite. All-star. Bermuda. Estou saindo com uma garota. Que não deixa de sair com as amigas. Que não briga se eu sair com os amigos. Que ficar junto não é uma obrigação, é um escolha. Estou saindo com uma garota. Que quando eu choro no cinema, ela me aperta e diz: “Não chora. É tudo mentirinha” Respondo chorando: “MAS É BASEADO EM FATOS REAIS!” Ela começa a rir. Estou saindo com uma garota. Que não está presa no passado. Em medo. Ou ex-namorado. Estou saindo com um garota. Que quando meu telefone toca, eu espero que seja ela. Estou saindo com uma garota. Que quando ela me beija, esqueço por 2 minutos, que meu pai está morrendo. Quando ela me abraça, esqueço por 2 minutos, o peso e a dor que estou vivendo. Quando ela sorri, volto a sentir, que a vida pode ser leve e pura. Que esse sentimento, não são 18.000 mulheres que me fazem sentir. É uma. É ela" SpeachLess.

Look back. Forgive all.

Look forward. Trust everything.

Exemplos de Vida.

Acredito cada vez mais que há pessoas que são anjos, que vêm para cá com uma missão tão reduzida quanto essencial. Parece-me que o Manuel Forjaz foi uma delas. É de facto a sublime diferença entre TER uma doença e/ou não se permitir, recusar-se, a SER essa doença. Há pessoas que são iluminadas, guerreiras, especiais, inspiradoras e que nos transmitem uma quase "obrigação" em evoluir, em nos tornarmos melhores seres humanos. Há que sair da posição do queixume, da vitimização, e abraçar a vida. Não deveríamos precisar de saber que nos resta pouca vida para começar a saber aproveitá-la, nos pequenos nadas que são tudos. Ponhamos os olhos nisto ! Obrigada a ele por todo o legado que, directa ou indirectamente, nos deixou. Grande Homem. R-e-s-p-e-c-t mesmo. Espero que todas as pessoas que passam por este suplicio, na pele e na família directa - infelizmente também sei bem o quanto amargo e desesperante sabe -, se deixem tocar por esta onde de luta e de esperança. Aqui envio a elas toda a minha energia, compaixão e força.

Quem não deixa o que não basta, não descobre o que lhe falta.

Pai.

Feliz dia dedicado ao Pai, pai. Que o de seres meu pai foi todos os dias desde que vim ao Mundo, ainda que nem sempre tenhas conseguido sê-lo da forma mais presente. Deste e fizeste o que pudeste, o que soubeste. Já te perdoei as faltas e os poucos. Estive durante demasiado tempo zangada contigo mas hoje sei e entendo que a zanga só é possível onde cabe o afecto, que é forte o suficiente para resistir a ela. Sou grata por a vida te ter deixado ficar, por o teu "mal maior" nos ter aproximado tanto e tão bem, por não terem ficado abraços por (te) dar, coisas por te falar. Hoje estou em paz contigo. Connosco. E apesar de tudo, és o pai que tenho e orgulho-me de tudo aquilo pelo que agora te arrependes. Acredita que, a mal ou a bem, me ensinaste muito mais do que poderás algum dia supor.

So True.

No final do dia, antes de fechar os olhos e ceder ao cansaço, fazemos um exercício:

escolher o melhor do nosso dia. Fazemos as pazes com o que correu mal, aceitamos as respostas que ainda precisam de tempo, acalmamos os medos e as angústias e guardamos apenas o melhor. Podem ser horas de festa ou apenas um instante de silêncio. É a memória que surge mais presente a que queremos guardar. É a essa a força que queremos para o dia seguinte: adormecer com um sorriso". (Catarina Beato)

Onde fores feliz, fica.

Onde dormes em paz, sonha. Onde os abraços forem os mais fortes, demora-te. O afecto é um bem escasso, cuida-o.

É proibido não ter esperanças porque o tempo pode tudo praquele que crê.

" E eu creio em dias azuis, cheios de paz dentro. Acredito na força dos sentimentos bons, na energia positiva e na colheita dos sonhos, que chega sempre nas mãos de quem semeia o bem, de quem espalha alegrias miúdas. Acredito que a bondade tem voz e acredito, também, num hoje maior que o ontem e que o amanhã. Acredito na beleza e na força de um sorriso, no encanto e energia das palavras. Acredito num Deus que tudo vê e que tudo ampara, da maneira correcta e no tempo exacto. Acredito na bondade sem disfarce, nos rostos sem máscaras e doses de paciência que movem montanhas; no carinho e na amizade. Creio na palavra que cura, nos risos gratuitos, na bússula do lado esquerdo que sempre indica o caminho. Eu nasci pra acreditar. E esperança, minha gente, é o que anda comigo ".

Algumas pessoas merecem o nosso amor; outras precisam dele.

With Love in your Heart.

And Flowers in your Hair.

De algumas opiniões Alheias.

E geralmente a ultima bolacha do pacote costuma vir partida.

As memórias da minha infância também sabem a isto:

a liberdade e malandragem. Daqueles tempos em que somos felizes sem saber que o somos e, a sê-lo, somos com e por tão pouco...

O amor está em tudo.

No que fazemos, nas amizades, na família, no trabalho, na nossa forma de estar e de ser. Há muitas variantes para o amor. Tenho aprendido que o amor próprio, como dizia a canção, é mesmo "the greatest love of all" e o amor melhor e maior é o que dedicamos e absorvemos das pequenas (grandes) coisas que acontecem no dia-a-dia. Por isso, como diria o MEC, "irritam as pessoas que esperam que o amor traga a felicidade; é como esperar que os morangos tragam as natas. O amor não é um meio para atingir um fim, não é através do amor que se chega à felicidade". É, penso eu, e por contrário, através da nossa felicidade pessoal que se pode chegar ao amor. Especialmente ao romântico, que chega em consequência e quando estamos totalmente "distraídos" e "desfocados" dele. Mais vale só que mal apaixonado, já que cada vez mais há por ai uma colecção de "solteiros apaixonados e muitos casais fingindo que se amam", ou acreditando nisso. Por isso, penso que "a chave" é não nos entregarmos por pouco ou pelo que não serve. Lá porque "andamos a ver as montras" não temos de entrar e comprar a "loja". Há que escolher bem. E, até lá, aprendamos a estar sozinhos, na nossa companhia, a amar e preencher a pessoa que somos. "Não procures alguém que te complete. Completa-te a ti mesmo e encontra alguém que te transborde". O resto vem. Chegará. Sem pressas, medos, ou carências. "Apenas o que podemos admirar é amor, o resto é apenas confusão mental". E confusões mentais não são talhadas a trazer felicidade a ninguém. A felicidade, a verdadeira, plena e pura, pode e deve estar em nós. A que vem, que nos trazem, é sempre um acréscimo a essa. Eu cá, vou ficar à espera, sem esperar, da minha Masterpiece*

Pequena reflexão sobre o dia dos namorados.

"Amanhã é dia quinze. Imagino que este seja o pensamento de muitas pessoas: “Hoje é dia catorze, mas amanhã é dia quinze.” Nunca entendi muito bem a finalidade de celebrar este dia. Não o sinto mais especial que outro dia qualquer do calendário. Talvez este seja o meu lado cínico e amargurado a falar mais alto – quem sabe? Há um ano partilhei este dia com alguém: não trocámos prendas, não fomos jantar fora, não ligámos sequer a esta data, mas amámo-nos como se fosse outro dia qualquer. No ano anterior passei este dia sozinho, no ano anterior a esse também, no anterior a esse também. Passei maior parte dos dias dos namorados sozinho a cultivar o culto pelo amor próprio. Em todos os outros que partilhei com alguém nunca liguei muito a isso. Não que não acredite no amor, nas demonstrações de carinho, na celebração dos sentimentos. Nada disso. Acredito piamente no amor. Acredito em tudo o que esse amor engloba. Acredito nas palavras e nos gestos que fazemos por amor. Talvez daí este meu cinismo por esta data. Daí este meu descrédito pelos corações de peluche, os cartões e as rosas vermelhas de dia catorze. O amor celebra-se todos os dias. O amor celebra-se a todos os momentos, em todos os gestos - mesmo nos mais pequenos. Aliás, mais nos mais pequenos. Amar implica uma continuidade. Amar e ser amado obriga-nos a darmos o nosso melhor constantemente. Obriga-nos a estarmos atentos. Obriga-nos a construir, todos os dias, uma base para o futuro. De nada valem os cartões, os jantares a dois, os passeios pelos jardins regados de beijos e clichés românticos, se forem, apenas, a consequência de uma data no calendário. O amor está tão banalizado nos dias que correm, não o banalizem ainda mais. Não o marquem com uma cruz no calendário para o celebrarem de ano a ano. Acreditem no amor. Cultivem o amor. Colham os frutos desse amor. Não hoje, não amanhã, mas sempre. Sejam os melhores para quem amam: todos os dias, a todas as horas. Amanhã é dia quinze: não se esqueçam de celebrar o vosso amor". (Pedro Rodrigues)
Creio que apenas quem é da minha área poderá entender a dimensão do que direi a seguir, mas há uma beleza indescritível, quase poética, no que fazemos. É nestas alturas, e ao reler trechos como este, que me relembro o porquê de ser tão apaixonada por esta profissão, esta forma de pensar o mundo, as pessoas e a nós próprios. Por nada ser inócuo, óbvio ou evidente. Tudo em nós é mais alguma coisa do que o que mostramos ou sabemos e é nessa descoberta que reside o mais fantástico dos percursos. Tornar consciente, tornar claro, reescrever a história que em todos nós resulta da estória que tivemos e das relações que fomos estabelecendo, ganhando e perdendo. Nós somos, de facto, nós e as nossas circunstâncias. O bonito é saber que a história pode passar a ser contada, vivenciada e lida de outra forma. É esse o nosso trabalho. O de devolver a esperança, a liberdade e a vida. (Sobre a compulsão à repetição): "Eu corria tão depressa que a minha mãe não conseguia apanhar-me. Então esperava que eu adormecesse e vinha ao meu quarto, durante a noite, para me bater com o cinto... Não recebi afecto, portanto não consigo dar. De facto, não consigo dizer à minha filha que a amo. Então sacrifico-me por ela. Através dos meus comportamentos digo aquilo que não consigo dizer por palavras. Dou às escondidas e sem uma palavra. Espero que ela compreenda". A repetição de uma transmissão desajeitada de afecto é uma estratégia de defesa que mutila a expressão da personalidade e altera as relações entre a mãe e a filha. É um contra-senso de afecto. Neste exemplo, a mãe repete exprimindo um afecto esquivo, distante, talvez mesmo gélido, porque não ousa verbalizar o afecto. Quanto à filha, lida com a mãe que adopta uma postura de adulto dominado, dedicando-se à filha e anulando-se perante ela. Será necessário esperar que a filha cresça para entender o sentido dessa estratégia comportamental. E, como a retirada da mãe fez da criança um bebé grande, é de esperar que passem várias décadas antes de descobrir o que isso significava". ( Boris Cyrulnik) ... E isto quando (e se) se descobre.*

Ao completo e ao que procura completar-se: Amor e Apego.

" Ao Apego, a dependência. A compensação, no outro, de uma falha básica de amor ao próprio, amor estrutural. A procura de ser-se amado porque o outro ama ou, amar para se sentir amado. A procura do amor para colmatar a tal falha essencial - dependência, possessão, necessidade de controlo e manipulação. Preenchimento de um vazio interno. A salvação!? Apego, no ser inseguro que busca completude em variáveis e circunstâncias externas que não do próprio. Egoísmo e não amor próprio. No apego, não se dá sem esperar receber de volta. Amor imaturo em que há a anulação da identidade do próprio.Porque tudo passa e, para tudo há um fim, o sofrimento voluntário, na dependência de um outro que é impermanente. É meia pessoa à procura de meia pessoa, com vista à completude. Erro! Tem por base a ideia de um amor uno, em que dois seres se completam. Não fossemos nós já completos antes do Amor a um outro. A junção de dois meios que perverte o que deveria ser Amor. Contudo, existe no imaginário e potencia um engano dos cinco sentidos em simultâneo. Mentir-SE a um próprio que nunca se amou. Apego como uma relação simbiótica, de dois sistemas que se auto-alimentam e, por isso dependem um do outro para viver.Por oposição, o Amor. A liberdade, autonomia e co-existência, partilha... uma homeostase de dois sistemas, precisamente em equilíbrio. A ausência de ganância, de egoísmo. É um conceito anterior a qualquer relação, no sentido em que existe um amor próprio, que permite que o Amor pelos outros seja mais honesto. Porque me amo, dou, partilho. Não procuro no outro compensações, valorizações ou preenchimento de vazio. Dar, sem esperar retorno. Genuinamente, isto! O espelho da felicidade do outro, numa dádiva sem expetativa de retorno. Amor, não porque se é amado, nem para que se seja amado. Amor, como define o dicionário, disposição dos afetos para querer ou fazer o bem a algo ou alguém. É querer genuinamente a felicidade do outro, em detrimento de "interesses" do próprio. O amor não mente, acontece... " (Andreia Aires Oliveira)

Scars are Souvenirs we never Loose.

Não sou saudosista por natureza:

"Vivo no dia de hoje com aquilo que tenho e com as pessoas que me acompanham. Mas, ainda assim, sinto saudades de tantas coisas. E de algumas pessoas. Sinto saudades principalmente de quem sei que não posso ver mais. De quem se ausentou sem pedir permissão. De quem foi "ali" e já não volta. Saudades daqueles perante quem a vida (me) trocou os planos. Saudades infinitas. Que o tempo não apagará nunca"

O Amor num McBurger.

" Pessoa ficaria chocado se visse o que andamos a fazer ao amor. Esgotou-se o tempo para escrever cartas à Ofélia. Perdeu-se a paciência para romances longos. Em vez disso, multiplicam-se sites e chats com promessas de amor – não eterno, mas rápido. Não surpreende na sociedade que fomos construindo: queremos tudo para ontem e pedimos tudo para amanhã. Profissões esgotantes, horários loucos, cursos intermináveis e créditos em catadupa. Vivemos mais tempo, mas somos pressionados a atingir mais coisas e cada vez mais cedo. Parece que o prazo de validade dos sonhos encurtou. Mais ambiciosos e sonhadores, somos também menos tolerantes às contrariedades, dissabores e infelicidades. Escravos dos prazos que nos impõem, fomos perdendo tempo para nós próprios e passámos a querer o amor tal como o almoço do trabalho: rápido, fácil e, de preferência, já embalado. Sinto um salto gigantesco entre a minha geração e a dos meus pais: desde o tempo dos beijos roubados às escondidas de uma sogra distraída, para os dias do amor apregoado por anúncio. Nesta época de inquietação em que queremos viver tudo apressadamente, várias páginas prometem facilitar-nos a vida derramando slogans aliciantes como “rápido e eficaz”, “eles são felizes” ou “começa já uma relação”, tudo acompanhado de fotos que parecem saídas de promoções para um branqueamento dentário. Ao ouvido chegam-me relatos constantes de encontros múltiplos e falhados — daqueles que dão um arrependimento danado de sequer ter saído de casa. E não foi só porque o par era entediante, chato ou inconveniente, mas sobretudo porque as expectativas e a pressão nos tramaram o encontro. 
Criamos grandes expectativas com base em imagens que a sociedade nos pedincha: lindos, sorridentes e felizes em tudo o que é rede social. Espreitamos o Facebook e avaliamos fotos, séries ou músicas comuns para ver se faremos faísca. Mas a pressão social e a impaciência tiram-nos a capacidade de esperar por quem valha mesmo a pena, e roubam-nos o tempo e a vontade para realmente conhecer o outro. Expectativas elevadas podem trazer desilusões desastrosas. E desilusões repetidas tiram credibilidade ao futuro, como se ele não reservasse nada mais a não ser mais do mesmo. Alimentamo-nos mal quando não temos tempo: gordura e hidratos dão uma sensação rápida de saciedade. Andamos a fazer o mesmo com o amor: para nos satisfazermos, confundimo-lo com atenção e aceitação, mas nenhuma delas é companheirismo ou entrega. A atenção é fugaz, impaciente e alimenta-se de imagens; o amor é lento, pachorrento e cria-se com o tempo. 
E assim seguimos: juntos, mas cada vez mais isolados e desconectados. Comunicamos, mas não empatizamos. O desejo de nos sentirmos acompanhados e acarinhados está na nossa natureza e ainda bem que assim é. Mas não há como fazer do amor uma entrega ao domicílio. É preciso ir lá para fora de coração aberto, mas não desesperado. Por isso, ponham o calendário social na gaveta e, a saborear, que seja um amor “gourmet”: especial, doseado e memorável". (in P3 Publico)

As coisas grandes da vida só chegam com muito trabalho:

é preciso cultivar, cuidar, regar, esperar interiormente… e depois dão frutos cá fora, de mil formas diferentes.

Há 30 anos atrás foi assim...

Dizem que "surgi de uma ovulação extra e inesperada" da minha mãe; 9 meses depois esperavam-me paragens cardíacas num parto difícil e de urgência e, a muito custo, lá vim ao mundo. Já desde então vinha a lutar e, até aqui, creio que é algo que me define: não baixar os braços, não calar a voz. Nada acontece por acaso e acredito que estava escrito algures que eu tinha que cá estar. Havia um propósito para eu cumprir. E tenho estado, com tudo. Vim para ficar. Para acreditar, para ser, para viver na entrega do que sou e do que faço. Não sei ser outra que não eu. Estou aqui para descobrir e fazer o meu percurso, ser melhor pessoa a cada dia, mês, ano. Mantenho os meus principios e valores, o brilho no olhar e a coragem e "fome" de mais no coração, mesmo derrota após derrota. E hoje digo "à boca cheia" que tenho muito orgulho em quem me tornei. Hoje chego aos intas. 30. Número redondo mas pequeno, comparado com a imensidão de vida e de mundo que ainda me falta e me espera, que tenho pela frente. "Crescer, afinal, custa. Demora, esfola, mas compensa. É uma vitória secreta, sem testemunhas, ou com poucas, onde o adversário somos nós mesmos". E, na maioria dos dias, posso dizer que venci-me. Superei-me. E tenho de me orgulhar de mim. Consegui manter a genuinidade de menina mas ganhei o bom senso, a sabedoria, profundidade, simplicidade, e cabeça de uma mulher que se tornou cheia e dona de si. Hoje já não sou quem era; devo ser quem me tornei. E gosto muito mais de mim assim. Desejo continuar a acreditar na felicidade que o mundo inteiro carrega, nas pequenas coisas; desejo que consiga aproveitar cada minuto da minha vida com um sorriso aberto e que nada nem ninguém me impeça de continuar a crescer, por dentro, sobretudo por dentro; desejo que o impossível seja apenas uma palavra e não um obstáculo; que os meus próprios desejos não se desvaneçam, que cresçam; desejo que os meus sonhos inteiros continuem a ser sonhados e, na hora certa, realizados. Desejo sentir-me sempre serena e segura na minha pele. Desejo nunca parar de desejar (e de querer). "Festejar o aniversário de alguém é mostrar que a sua existência merece o nosso contentamento". E chegar aqui a sentir-me tão "festejada", tão certa e tão feliz deixa-me grata e, portanto, tenho que agradecer, mesmo que não precise: À vida e ao mundo; a mim mesma; aos meus pais que me trouxeram "para cá" sem eu pedir e aos avós que foram mais que pais; às pessoas que fui perdendo pelo caminho mas que fizeram parte e me ensinaram sobre elas e sobre mim; mas, sobretudo, aos amigos-irmãos, que me conhecem como a palma da mão e, ainda assim, ou talvez por isso, me guardam e se deixam guardar. Que insistem em permanecer e me fazem sentir tão imprescindivel, amada, insubstituivel, única. Obrigada. Aos mesmos, poucos mas grandes, enormes, aos de sempre. Que me sabem tão bem, no bom e no mau, e me aceitam como eu sou, com tudo o que dou, sei, faço, aconteço. São talvez as únicas pessoas que podem verdadeiramente falar de mim, sem julgamentos ou artifícios. Agradeço por terem aparecido e permanecido, agradeço por todas as palavras que já me disseram, atitudes que tiveram, lágrimas que acolheram e todos os risos que já me arrancaram. Vos amo e não é pouco. É daqueles amores que não cabem em palavras... nem na vida.* Hoje estou feliz. Sou muito, tão, feliz. E hoje sei que a felicidade é a de cada um...

2013, foste um óptimo professor.

Soubeste ser tanto “besta como bestial”, o que me ajudou a contrabalançar e a relativizar as coisas; a valorizá-las também. Por vezes foste “madrasta” mas lembraste-me sempre do quão forte sei ser, mantendo a cabeça levantada, as crenças renovadas e o coração forte, mesmo quando esteve frágil. Permitiste-me surpreender-me a mim mesma, uma vez mais. Agradeço. Descobri de novo que errar faz parte da nossa verdade e do nosso crescer, independentemente do que aconteça. E eu volto a preferir errar sendo fiel a quem sou do que acertar não sendo eu. Portanto, erros, tropeções, e falhas à parte, mantive-me, mal ou bem, sempre fiel a mim própria, nunca passando por cima de mim nem de ninguém. E mesmo os meus erros são isso mesmo: meus; portanto tenho direito a eles. Mas vou errando melhor, sempre melhor. O tempo, esse, mostrou-me de novo que precisa de tempo e pede paciência. Além de ser rei e um grande mestre, ele assusta as pessoas; por sermos todos intolerantes à dúvida, à imprevisibilidade dos dias, às ausências, às inseguranças, ao "não saber o plano para amanhã". Tendemos assim a controlar o frenesim dos dias, as rotinas e as coisas, porque o controlo nos traz uma ilusão de segurança, de previsibilidade. Mas a realidade é que ninguém sabe o minuto a seguir e se não estamos predispostos "a arriscar o ano que vem" e o dia seguinte, então não devemos levar “pela mão” e pela vida as pessoas com quem nos damos a cada momento. Há que arriscar, portanto, com a certeza cega de quem acredita que não há qualquer hipótese de falhar. Porque, no fundo, tudo é um tiro no escuro. Trouxeste-me um amor de mãos pequenas e de um coração que, na altura, conheci grande. Intenso, bonito, mas fugaz. Esse amor ensinou-me tanto. Entendi, com ele, que a criação de uma relação de amor pode ser tortuosa de vez em quando; nem tudo são rosas e mesmo as rosas trazem espinhos. Os problemas, desencontros e conflitos são inevitáveis, mas esses problemas tanto podem ser encarados como fontes de ressentimento e rejeição ou como, por outro lado e de forma construtiva, oportunidades repetidas para aprofundar a intimidade, o carinho e a confiança. É sempre uma escolha nossa. O ingrato é que só podemos escolher da nossa parte, já que “para bom amor meio coração não basta”. O que rápida e dolorosamente me fez perceber que, a estar, temos de estar no mundo dos outros quando chove e quando faz sol, mas nem todos têm essa capacidade. E já dizia “a outra”: “O amor não foi feito para os preguiçosos, foi feito para os soldados”. E tinha toda a razão. Dei-me conta também que facilmente confundimos e camuflamos relações com dependência e chamamos-lhes amor. Por outras palavras, “insultamos” vezes demais o amor, porque o tomamos por tanta coisa diferente dele: Egos, rejeições, faltas, vazios e carências nossas. O amor, esse, é gratuito e não deverá ser auto-centrado. É, antes, livre e absoluto, um complemento ao que somos, um transbordar no que já existe de completo em nós e não as peças que nos faltam ao “puzzle”. Torna-se portanto perigoso pensarmos que fulano ou fulana é o homem ou a mulher da nossa vida. Pode, quanto muito, trazer mais vida à nossa vida, mas como acrescento, nunca como “o ar que respiramos”. Prefiro portanto saber e dizer que “Não posso ser a mulher da tua vida porque já sou a mulher da minha”. E hoje sou mesmo, profundamente. É então na autonomia emocional, afectiva e psicológica que podemos estabelecer verdadeiras ligações e relações. A dependência é traiçoeira, cega-nos, e faz-nos ser egoístas e virados sobre o nosso umbigo… e pouco mais. Apercebi-me, nestes 365 dias, que hoje sou e sei-me mais feliz por me sentir segura ao ser amada sobre toda a minha verdade. E isso basta-me. Já sei, vou sabendo, cuidar do que e de quem é verdadeiro e deixo (sobre)viver em mim sempre esta vontade bonita, toda e só minha, de crescer por dentro. Já me sei rir dos meus choros, aprendi a tratar a tristeza como a uma anedota, a não lhe dar tanta importância, por já trazer a certeza de que tudo o que vai, volta. Mas nem tudo o que volta encontra o que deixou. O que hoje é, amanhã já se transformou. Acalmo assim a alma e ando mais devagar porque já tive pressa e, em parte, estou cansada. Cansada mas serena e realizada, mais cheia e dona de mim. Confirmei, no passar dos dias e do ano, que somos a soma de todos os momentos e todas as pessoas que vivemos e que viveram e coexistiram connosco, em diferentes proximidades e afinidades. E são esses momentos que se transformam na nossa história. A felicidade é, no fundo e portanto, uma colecção de momentos e vem de dentro. Sempre de dentro. Procurá-la (apenas) cá fora, no mundo e nos outros, é uma ilusão que gera frustração e dependência. Ser livre é, por isso, ser o que e quem se é, em vez de ter; de esperar. De reagir ao agir do outro. Somos nós que nos fazemos felizes. Somos nós o nosso “euromilhões”. Por isso, é bom que apostemos, todas as semanas da nossa vida, todos os dias da nossa vida, tudo o que temos em tudo o que somos. Porque somos nós tudo o que temos. No fim de contas, rendo-me à evidência de que não vale muito a pena arquitectar e guardar pensamentos e ruminações. A bússola melhor é sempre a da intuição e do coração, porque sentir é uma forma de saber (a melhor, diria eu). Guiemo-nos então por ela. Pensar muito não significa que estejamos a pensar bem. Revela-se-me portanto em vão a energia que despendemos a ter pena de nós próprios e a chorar o que já lá vai. Desprendamo-nos do passado, de ficar à espera do que já não vem. É ilusório esperar que “de uma árvore de limões acabem por cair laranjas”. Não nos serve, vamos embora. Simples assim. Aprendamos com isso mas saiamos do lugar da vítima, do azarado, do coitadinho. A sorte somos nós que a fazemos, o sofrimento é opcional, e ninguém tem o poder de nos deixar mal sem o nosso consentimento. Por isso em vez de pensarmos que o mundo esta contra nós, mudemos as correntes e estejamos nós a nosso próprio favor, façamos por isso. As rédeas e a responsabilidade da nossa vida são nossas e só nossas. Usemo-las. Aceitemos o que nos acontece. Não podemos prever o que dai vem mas podemos sim mudar a forma como lidamos com isso. Crescer. Evoluir. Tenho e acredito para mim, cada vez mais, que estamos, no aqui e agora, precisamente no lugar e no tempo de consciência e aprendizagem em que era suposto estarmos. E, mais cedo ou mais tarde, sem nos apercebermos, todas as coisas se alinham e conspiram de forma a juntar os pontos, a ganharem um sentido. Mas nos entretantos, nos compassos de espera e até lá, temos de ser nós a preparar e cultivar a nossa paz. As relações que queremos manter e preservar, investir, cuidar. Parece-me que se torna necessário ter várias experiências para nos desafiarmos, para nos expressarmos, para oferecermos algo a mais alguém; para conhecermos do que somos capazes e o limiar dos nossos limites. É essencial, diria. Isso e agradecermos as coisas boas. É um óptimo exercício que nos ajuda a perceber o quão ingratos e cegos podemos ser/estar perante a vida. Ajuda a lembrar o bom de cada dia, e isso vale muito. Vale tudo. Sejamos mais flexíveis e menos duros connosco e com os outros. Paremos de julgar sem estar na pele do outro, nos sapatos do outro. Somos todos diferentes e há que aceitar que os outros têm um tempo e um modo diferente do nosso. Por isso, não temos o direito de interferir no caminho deles, de os apressar. Mesmo que acreditemos que é o melhor para eles. Bom… Melhor?! Prepotência a nossa! Cada um é que pode e deve aprender, fazer o seu percurso, entender com o tempo e as experiências o que é o seu melhor e o seu pior. Mesmo que estejamos a ver que quem nos é querido se irá “espetar”, não nos compete a nós decidir, opinar, aconselhar, fazer, pensar e sentir por eles. Resta apoiar, respeitando, no matter what. Eis o nosso papel. E já é muito. Outras pequenas-grandes aprendizagens: - Ninguém muda ninguém. E, caso o faça, apenas o fará pelo exemplo; - É o medo de perdermos as coisas que nos faz perde-las. Quantas coisas perdemos então por medo de perder?! Demasiadas. Livremo-nos do medo. Agarremos a coragem; - Tudo o que damos recebemos em dobro, basta estarmos atentos e gratos. Há que abrir os olhos ao que nos rodeia; e há que fechar o coração e a vida a quem não nos queira bem; - No caminho que trilho sou responsável (apenas e só) por mim e pela pessoa que decido tornar-me de dia para dia. Por isso vivo para ser melhor e maior. Para ser enorme. É o meu pressuposto. E quem quiser que me acompanhe. “ A vida é tão grande e tudo se resume a tão pouco”. Ao importante. Por isso: A 2013 o que é de 2013. 2014: estou de braços, alma e coração abertos para ti. Chega logo que eu vou-lhe usar… e muito bem. Obrigada a quem me ama e a quem eu amo por nunca me deixar esquecer quem sou e o que valho, mesmo e quando eu própria me esqueço. Por me ajudarem a crescer por dentro. Não seria metade do que sou sem os que, a mal ou a bem, me conduziram até aqui. Até mim. Grata por tudo e tanto disso. Desejo com força um ano cheio e grandioso a todos. Com saúde e paz, que o resto a gente corre atrás. Façamos destes 365 dias uma história para contar e lembrar*

Seguindo.

"Não chores pelo que perdeste, luta pelo que tens. Não chores pelo que está morto, luta por aquilo que nasceu em ti. Não chores por quem te abandonou, luta por quem está contigo. Não chores por quem te odeia, luta por quem te quer. Não chores pelo teu passado, luta pelo teu presente. Não chores pelo teu sofrimento, luta pela tua felicidade. Com as coisas que vão nos acontecendo vamos aprendendo que nada é impossível de solucionar, apenas siga adiante." (Papa Francisco)

Quem não sonha é quem morreu.

Pés na terra, olhos no céu.

Presentes.

"Os melhores presentes sao os inesperados. Tem de ser bons mas, gracas a surpresa, podem nao ser tao bons como os esperados. Dizemos "é so uma lembranca" e pensamos que estamos a ser hipocritas porque nao é possivel esquecer a obrigacao de dar presentes. No entanto, lembranca é uma bonita palavra. Nao significa so "nao me esqueci de ti". A lembranca é o acto de lembrar, no sentido mais espontaneo, sem obrigacao ou vontade. A unica maneira de cumprir essa amabilidade é comprando o presente e oferecendo-o a pessoa a qual esse nos fez lembrar. Nao porque nos lembrámos dela mas porque traziamos quase esquecida aquela pessoa e aquela coisa lembrou-nos o quanto a amávamos, e o prazer que deu lembrarmo-nos dela. Nao é so uma lembranca, é uma verdadeira lembranca! Aquelas prendas boas, que enchem de satisfacao a quem se as da, sao lembrancas de amor. Sao simbolicas. Um filho pode dar-nos um pedaco de papel com um coracao rabiscado e derretemo-nos; um postal que acharam ser "a nossa cara"; uma fotografia tirada que reflicta e congele algum momento especial, ... Os presentes entre as pessoas que se amam nao dependem do dinheiro que se gasta neles. Dependem da atencao e do amor que se investe e sao sempre bem escolhidos porque foram dificeis de escolher, com a dificuldade que so custa a quem ama, a quem quer bem. Nao sejamos hipocritas e nao falemos em solidariedade e bondade somente nesta epoca do ano. Lembremo-nos de ser assim para os nossos e para os outros ao longo dos restantes meses".

Que sera, sera.

Tu não és Especial.

" Apesar dos miminhos que recebeste dos teus pais, apesar de teres amigos que se riem das tuas piadas e apesar de já teres passado por muita coisa… não caias em ilusões: tu não és especial. Não és especial porque andaste naquela universidade ou tens aquele trabalho. Não és especial porque tens boa aparência ou porque há alguém que gosta de ti. És apenas mais um em 7 biliões, por isso escusas de andar por aí como se o mundo te devesse alguma coisa. Essa cara de vinagre fica-te mal, e esse ar só estraga o ânimo à malta. A sociedade não te deve um trabalho, a família não te deve uma casa e os teus amigos não te devem atenção. Nada disso: o mundo não te deve nada, és tu que deves muito ao mundo. Deves ao mundo o teu tempo, energia e inteligência. A tua melhor intenção e o teu melhor empenho. Trabalhar porque acreditas que o teu trabalho é importante, não porque tens um estatuto a manter. Estudar pelo entusiasmo de aprender e não apenas para passar nos exames. Namorar porque adoras a pessoa que está contigo, não porque não aguentas estar sozinho. Viajar porque queres viajar, não para teres fotografias para mostrar. Cuidar bem dos outros porque queres o bem deles, não para provares que és bonzinho. Podes tentar fugir disto, claro. Podes ficar escondido atrás das cortinas e lamentar-te de todas as dificuldades que tens pela frente. Podes ficar à espera que alguma coisa te venha salvar…mas no fim tens apenas que decidir uma coisa: o que vais fazer com cada hora do teu dia? O que raio vais fazer da tua vida? O mundo precisa de ti. E tu precisas de viver o melhor que tens. A tua vida é demasiado importante para depender de te sentires especial. O caminho vai ser longo e difícil. Vais ser criticado e vais falhar… mas se apesar de cada falhanço, cada crítica e cada sofrimento continuares a dar o teu melhor… então é porque te tornaste em alguém especial". (in inesperado.org)

Um amor verdadeiro tem verdade em tudo o que lhe segue.

"Dias de verdade, noites de verdade, amizade de verdade, beijos de verdade, partilhas de verdade e dor de verdade. Daqui ou do outro lado do mundo, os amores verdadeiros não se perdem. Estão destinados, foi escrito e selado que um dia se vão esbarrar numa praça qualquer, numa esquina, onde for. Os amores verdadeiros aparecem quando se deixa de acreditar neles. Por isso, desacreditem-se, para voltarem a acreditar". (Inês Alegre)

She.

Escreve na Areia o que dás, grava numa Rocha o que Recebes.

Modo de Usar-se.

"... Não costumo ir atrás desta história de "foi usada". No que se refere a adultos, todo mundo sabe mais ou menos onde está se metendo, ninguém é totalmente inocente. Se nos usam, algum consentimento a gente deu, mesmo sem ter assinado procuração. E se estamos assim tão desfrutáveis para o uso alheio, seguramente é porque estamos nos usando pouco. Se for este o caso, seguem sugestões para usar a si mesmo: comer, beber, dormir e transar, nossas quatro necessidades básicas, sempre com segurança, mas também sem esquecer que estamos aqui para nos divertir. Usar-se nada mais é do que reconhecer a si próprio como uma fonte de prazer. Dançar sem medo de pagar mico, dizer o que pensa mesmo que isso contrarie as verdades estabelecidas, rir sem inibição – dane-se se aparecer a gengiva. Mas cuide da sua gengiva, cuide dos dentes, não se negligencie. Use seu médico, seu dentista, sua saúde. Use-se para progredir na vida. Alguma coisa você já deve ter aprendido até aqui. Encoste-se na sua própria experiência e intuição, honre sua história de vida, seu currículo, e se ele não for tão atraente, incremente-o. Use sua voz: marque entrevistas. Use sua simpatia: convença os outros. Use seus neurônios: pra todo o resto. E este coração acomodado aí no peito? Use-o, ora bolas. Não fique protegendo-se de frustrações só porque seu grande amor da adolescência não deu certo. Ou porque seu casamento até-que-a-morte-os-separe durou "apenas" 13 anos. Não enviuve de si mesmo, ninguém morreu. Use-se para conseguir uma passagem para a Patagônia, use-se para fazer amigos, use-se para evoluir. Use seus olhos para ler, chorar, reter cenas vistas e vividas – a memória e a emoção vêm muito do olho. Use os ouvidos para escutar boa música, estímulos e o silêncio mais completo. Use as pernas para pedalar, escalar, levantar da cama, ir aonde quiser. Seus dedos para pedir carona, escrever poemas, apontar distâncias. Sua boca pra sorrir, sua barriga para gerar filhos, seus seios para amamentar, seus braços para trabalhar, sua alma para preencher-se, seu cérebro para não morrer em vida. Use-se." (Martha Medeiros)

Ele Capricha.

Despacha-te.

"Eu tenho a mania de assustar os homens, com todas estas conversas de amor verdadeiro e laços que não se quebram por nada que a vida nos possa trazer. Há dois tipos de pessoas dentro de uma relação, ou até mesmo fora dela. Existem as pessoas que acreditam no amor e que por mais quedas e tropeções que o destino lhes dê, vêm sempre a tal luz ao fim do túnel, que se proporcionam sempre a sofrer por amor mais uma vez, com a ínfima hipótese de dar certo. E depois há aqueles que já não se dão ao trabalho, e constituem assim o conjunto de pedras que vamos apanhando pela nossa vida fora. Um dia foram nós, calçaram os nossos sapatos, e prometeram mundos e fundos a alguém que lhes falhou na promessa, e se há coisa que eu sei, é que não há nada que magoe mais do que uma promessa falhada para quem cumpre a sua palavra. Hoje as pessoas não namoram, ficam juntas. Dormem agarradas umas ás outras, mas não andam de mão dada na rua. Oficializar uma relação nas redes sociais parece ser a maior prova de amor que se dá no século XXI, e perdoar uma traição quase que parece bonito e romântico. Aprendi com o tempo, que quem ama não trai. Seja de uma maneira ou outra, não se magoa quem se gosta. Não faz sentido, e se só é fiel quem pode e não quem quer, então devíamos ter que passar por uma série de testes para podermos dizer a alguém que o amamos. Testes cognitivos, físicos, testes do verdade ou consequência e quizz's, e se é crime mentir sobre aquilo que se vê, então mentir a alguém ao dizer que o amamos deveria ser também. Já me mentiram muito ao longo do tempo, mas prefiro acreditar que quem o fez, não foi por pura maldade ou com más intenções, mas sim porque nem todos temos a capacidade de amar incondicionalmente, e esse tipo de amor assusta as pessoas. Aquele tipo de sentimento em que dizemos a alguém que o vemos daqui a seis meses, com todas as certezas do mundo que ainda o vamos querer abraçar e beijar da mesma forma, ou que daqui a um ano fazemos as malas e acabamos por mudar a nossa vida, porque achamos que sair à rua não tem o mesmo sentido se não tivermos a possibilidade de nos encontrarmos com a pessoa que gostamos.O tempo assusta as pessoas, a distância, as inseguranças, o "não saber o plano para amanhã", mas a realidade, é que ninguém sabe o minuto a seguir, e se não estamos predispostos a arriscar o ano que vem, então não deverá ser essa a pessoa a quem damos a mão na rua. O amor não foi feito para os preguiçosos, foi feito para os soldados, por isso, despacha-te a aparecer e a ficar. Não apareças só por aparecer, eu odeio quem não se deixa ficar do meu lado. Não te deixes assustar por o aspecto que ás vezes tenho, por ser a mistura entre a mulher que ninguém quer andar de mão dada por saber os riscos que corre, e a mulher com quem se querem casar por as promessas que faz. Eu prometo e juro-te, que não deixo de te ver com encanto, passe o tempo que passar ou passes as fases que passares. Vou-te amar da mesma maneira que te amo quando acordo a meio da noite e olho para ti, nunca deste por nada, mas eu estou lá. Os dias não vão ser todos perfeitos, eu já nasci com alguma bipolaridade inserida em mim e afinal de contas, quem nunca nasceu. Tenho dias em que acordo com um brilho diferente e me rio de manhã à noite, tenho outros menos bons em que me lembro de todas as promessas que já me fizeram. Mas vou-te amar nos dois. Não te vou dizer metade do que penso. Guardo muita coisa para mim, tu sabes, quando estamos deitados na cama a olhar para o nada e a falar, há coisas que não te digo porque não tenho a necessidade de o fazer. Com o tempo, vais acabar por me conhecer sem ser preciso eu te dizer uma única palavra. Aí, vais saber que estamos apaixonados. E que apareças amanhã, ou te decidas que é comigo que deves estar, daqui a uma semana, daqui a uns meses, ou mais que isso, serás sempre bem-vindo. Quem nos ama de verdade, quem fica de verdade e nos olha por dentro, é sempre bem-vindo, seja qual for a fase e as pessoas que estejam na nossa vida. Nunca deixem fugir o homem que vos defende incondicionalmente, não há forma melhor de sabermos se estamos apaixonados por alguém, quando a vontade de os proteger é maior do que cuidarmos bem de nós" (Ines Alegre)

Sem medo do medo.

Don't let anyone ever break your Soul.

"You have to Stand on your own two feet and stand up for yourself. There are those who would give everything to see your failure, but never give them the satisfaction. Hold your head up high, smile and stand your own ground".

O que aprendi na vida é que cada um cuida da sua.

(Marcelo D2)

The moments that Changed our Life Show us how to Live it.

Namore uma mulher que sorria.

"Ela vai te ensinar que são nas coisas mais simples da vida que estão os momentos mais importantes. Namore uma mulher que sorria. Ela vai te ensinar a não pensar demais, jogar fora o guarda-chuva, acabar a timidez, conversar mais do que permitido, tomar banho no rio. Namore uma mulher que sorria. Ela vai te ensinar a rir de todas as coisas esquistas da vida e, principalmente, a não ligar para o que os outros pensam. Namore uma mulher que sorria, mesmo sem fazer nenhum som, de uma forma totalmente louca, você vai ter vontade de abraça-la. Namore uma mulher que sorria. Ela vai te ensinar que ser sério não tá com nada, a seriedade é duvidosa, a alegria é interrogativa. Namore uma mulher que sorria. Ela vai te ensinar que paixão e satisfação caminham de mãos dadas. Namore uma mulher que sorria. Ela vai te ensinar a ser imprudente, porque, se andar sempre em linha recta não terá historias para contar. Namore uma mulher que sorria. Ela vai te ensinar a chorar nos filmes bobos e a dormir nos filmes chatos. Namore uma mulher que sorria. Ela vai te ensinar que ninguém deve julgar seus defeitos. Namore uma mulher que sorria. Ela vai te ensinar, por mais que voce esteja sofrendo, um sorriso sempre alivia um pouco. Namore uma mulher que sorria. Ela vai te ensinar que, as vezes, é preciso chorar, porque se você procurar felicidade eterna, não encontrará. Namore uma mulher que sorria. Ela vai te ensinar que amor não precisa de papel assinado. Namore uma mulher que sorria. Ela vai te ensinar a não arrumar a casa na segunda-feira, não sofrer com o fim do domingo. Namore uma mulher que sorria. Ela vai te ensinar que, às vezes, começar de novo é exactamente o que uma pessoa precisa. Namore uma mulher que sorria. Ela vai te ensinar que as mulheres não são frágeis. Elas só querem alguém para sorrir junto. “Não seja sério; a seriedade é duvidosa; seja alegre; a alegria é interrogativa.”

O segredo não é correr atrás das borboletas.

É cuidar do jardim para que elas venham até nós.

A Carta que Nunca nos escreveram.

" Não sei como hei-de começar esta carta. Se te começo por pedir desculpas, ou se te digo que ainda te amo. Desculpa-me e ainda te amo. Passaram-se meses desde a última vez que me disseste, que deitavas alguma coisa por mim sem ser indiferença e nostalgia, e estás quase tão distante de mim, como eu da pessoa que agora dás a mão. Não sei ao certo o porquê de te escrever esta carta, mas dei conta de ti ontem. Ontem à tarde estava na minha vida, metido nos meus problemas e enfiado nos meus próprios pensamentos, quando me apercebi que o Inverno estava a chegar, e que o ia passar sozinho. Veio-me uma imagem de ti à cabeça. Foi breve, estavas com um casaco branco e o cabelo castanho enorme a bater-te em baixo dos ombros, e olhaste para mim e sorriste. O sorriso que me costumavas dar, e deste-me durante tanto tempo, só porque sim. Fizesse eu bem, falasse eu mal, estivesse eu num bom ou mau dia, nunca te esqueceste de dizer o quanto gostavas de mim. Outros dos motivos pelos quais te quis escrever foi para te pedir desculpa. Desculpa-me por todas as vezes que te troquei, ou que te menti. Por todas as vezes que te chamei louca, porque sei que em ti há mais sanidade do que em mim algum dia haverá. Fui eu que te fiz assim. Fora de ti, sem nada a perder ou nada a ganhar, que te transformei no monstro de dúvidas e inseguranças que hoje és. Desculpa por todas as vezes que te disse que nunca te haveria de magoar, sabendo que já o tinha feito. Pela capacidade fora do normal que tive de te enganar, ou por todas as vezes que deixei alguém falar mal de ti à minha frente. Desculpa-me ainda mais, por a quantidade enorme de mulheres que usei para esquecer-me do teu sorriso. A culpa não é delas, é minha. Não as odeies por tentar fazer delas uma cópia tua, por tentar cheirá-las e te sentir a ti, ou por quando dizia que as amava antes de as levar para a cama, querer ver-te a ti em baixo de mim a sorrir. A culpa foi sempre minha. Vi-te no outro dia e o meu coração disparou. Estavas incrivelmente bonita, e pela primeira vez compreendi que nunca precisaste de mim para nada. Que sempre foste assim, mulher do teu nariz, bonita, cheia de sorrisos e com uma capacidade fora do normal para te dares bem com as pessoas que gostas. Fui eu que sempre precisei de ti. Que mesmo mais pequena que eu, arranjava conforto em estar nos teus braços. Que não havia voz que me acalmasse mais de manhã, ou que quisesse mais ouvir antes de me deitar. Estavas tão bonita, tão sorridente, com uma cerveja na mão e o cabelo pouco penteado como costumas andar, e estando os dois no mesmo espaço, não deste por mim. Estavas no teu mundo, nos teus problemas, que com força e com todos os meus erros deixei de fazer parte deles. Olhei para ti com mais intensidade do que olhei em todo o tempo que estivemos juntos. Há coisas que só compreendemos quando perdemos alguém. Nunca tinha reparado como o teu sorriso é bonito visto de fora, nem como pareces estar em câmara lenta quando te rodeias das pessoas que gostas. Se um dia fui o teu namorado e tinha gosto em quando passavas, ver todos os homens olharem para ti, e tu, tão ingénua com o teu sorriso me vires beijar a mim sem dar ali por eles, então eu fui o eles. Fui eu que te vi a ti, a passar, com os olhos de expressividade que tens, e o sorriso que mandas quando vês alguém que amas, passar ao meu lado e beijares alguém, que te olhou como um dia te devia ter olhado. Sei que estás apaixonada. Pensei muitas vezes para mim mesmo, que um dia ia mudar. Um dia ia ser o homem que mereces, e que o destino acabou por te fazer encontrar. Que te ia deixar de mentir, fazer chorar, ou dar pouco valor quando aparecias do nada para me perguntar se estava bem. Nós homens, pensamos que quanto mais magoarmos as mulheres, mais elas vão esperar pelo dia em que deixam de ser magoadas para nos começarem a dar valor. Disse-te muitas vezes que tinhas sorte em me ter como namorado, mesmo sabendo que o azar era teu e não meu. Eu devia ter sabido, que uma mulher como tu, tão independente e agarrada aos sonhos, era a sorte que a vida me tinha metido na frente. Por todos os dias mal passados, por todas as mensagens que fiz de conta não ver, por todos os telefonemas em que virei o ecrã para baixo, pelas vezes em que guardei outros números com nomes de amigos, pelas vezes que te mandei uma mensagem a dizer que te amava prestes a ir ter com outra, por as promessas quebradas, por as mentiras e os dias que te afastei da pessoa que acabaste por encontrar, recebi como paga tu mais bonita que nunca, a rires-te e a passar-me ao lado. A vida deu-me como paga, tu, ao meu lado, apaixonada por outra pessoa. Desculpa, ainda te amo". (Inês Alegre)